Meireles: estudos para conhecer a qualidade de vida das famílias ao entorno da Simasul

09/06/2021 - Por: ASCOM - Iramar Ferreira - MTB.804/MS - Visitas: 672

Compartilhe:

O vereador Anderson Meireles (MDB), por meio do Ofício de nº 008/2021 (Gabinete), solicita ao prefeito Odilon Ribeiro (PSDB), que determine estudos técnicos e científicos com a finalidade de pesquisar a qualidade de vida e saúde, envolvendo a comunidade dos bairros e vilas  no entorno da Simasul Siderúrgica, em um distanciamento de até 5km com objetivo de promover o levantamento da real circunstância da saúde dos moradores dessas localidades.

O parlamentar entende que se faz necessário acompanhar a qualidade de vida das crianças, jovens, adultos e idosos, residentes próximos dessa siderúrgica.

Segundo revela, trata-se de saúde pública, pois é notório e público, que famílias que convivem neste ambiente  estão suscetíveis  a desenvolver sérios problemas de saúde.

Conforme o vereador informa, a siderúrgica encontra-se instalada na área urbana do município desde o dia 03 de novembro de 2004, cujas atividades operacionais tiveram início no dia 05 de setembro de 2005.

Meireles informa ainda, que ela  atua no segmento de fundição e siderurgia, tendo como principal atividade, a produção de ferro-gusa. De acordo com informações apuradas por ele, produz em média, 8,5 mil toneladas por mês do produto.

“A Simasul tem hoje, autorização para operação de um forno, porém, já trabalha para colocar em operação o segundo forno. Todavia, ela, diariamente, emite dejetos poluidor advindo da produção constante do ferro-gusa”, conta.

Na opinião dele, o rotineiro sofrimento da comunidade residente próxima da empresa motivou muitos moradores a ajuizaram diversas ações contra siderurgia por problemas de saúde e danos materiais.

A constatação da poluição provocada pela empresa, alega Meireles, se deve aos efeitos negativos da produção de ferro-gusa e do grave problema na região, que é a falta de destinação adequada para a escória da produção siderúrgica, pois são despejados em grande volume a céu aberto, conforme fotos e vídeos postados em redes sociais.

Contudo, acrescenta, passados 16 anos do inicio de suas atividades, o problema de poluição perdura e é de conhecimento público.”Os noticiários informam que a poeira, ou a fuligem, atinge diariamente as pessoas, as casas, e os alimentos consumidos”,completa.

Ele acredita, que pelo passar do tempo de funcionamento, a poluição pode potencializar inúmeros problemas aos moradores, exemplo, casos de pneumonia, bronquite, asma, irritação na pele, nos olhos e coração, entre outros.

Meireles, que também solicita a adoção desses estudos à secretária municipal de Saúde e Saneamento, Cláudia Franco Fernandes Souza, espera  em  breve medidas com a finalidade de atender o interesses dos moradores residentes no entorno dessa empresa