Menu

CRM instaura sindicância para apurar supostos erros médicos

Comissão de Saúde da Câmara  recebe cópia de documento  enviado por irmã de ex-paciente (foto: Iramar Ferreira) Comissão de Saúde da Câmara recebe cópia de documento enviado por irmã de ex-paciente (foto: Iramar Ferreira)

O  médico, Dr. Alberto Cubel Brull Junior, corregedor do CRM/MS (Conselho Regional de Medicina), por meio de oficio encaminhado à senhora Lidiane Alves Elizeu, no dia 22 de novembro de 2017, quer que ela se manifeste por escrito o interesse de figurar como denunciante  no processo instaurado por esse órgão  (sindicância) para apurar supostas irregularidades cometidas durante o atendimento à ex-paciente Yvy Stefani de Góes, irmã dela, no dia 29 de agosto de 2017, no Hospital Regional de Aquidauana.

O vereador Edinho Grance (DEM), vice-presidente da Comissão Permanente de Saúde da Casa de Leis, que acompanha o caso, disse na Sessão Ordinária de terça-feira (05.12.2017), que a irmã de Yvi manifestou o seu interesse em atuar como denunciante nesta sindicância. 

A solicitação tem como base uma “carta consulta”, enviada por meio de oficio, no dia 05 de outubro de 2017, pelo diretor clínico do hospital, Dr. Marcos Rogério Clemente de Araújo, o qual pede ao Conselho a apuração de fatos narrados pela denunciante envolvendo dois médicos, que  atendeu  a ex-paciente naquele dia.

Neste mesmo oficio, o diretor clínico havia informado ao CRM, que a denúncia da irmã de Yvy Stefani, feita manuscrita,  tinha sido protocolada na Câmara Municipal no dia 20 de setembro de 2017.

 A Comissão  Permanente de Saúde da Casa de Leis também por meio de oficio havia solicitado ao diretor administrativo do HR, Joacir Gomes Mendes,  esclarecimentos relacionados à denuncia apresentada à Casa pela irmã da vítima a fim  de se tomar as medidas legais.

O mesmo processo investigatório foi instaurado pelo MP (Ministério Público ) estadual após o recebimento da denúncia por parte dos familiares da vítima.

  O caso 

 Gestante de alto risco, Yvy vinha sendo acompanhada pelo Dr. Luiz Marti até o fim do seu pré natal.  Depois de nove meses  de gestação,  o médico a encaminhou ao hospital no dia 29 de agosto a fim de ser submetida ao  trabalho de parto pelo profissional de plantão.

O médico de plantão, Dr. Irineu Barbero Vitório,  no entanto, após examiná-la,  disse que a paciente ainda não se encontrava em trabalho de parto e pediu a ela que aguardasse no dia seguinte o próximo plantonista.

Ainda segundo a denúncia, o Dr. Rubens Eduardo Anacleto Izidoro, que assumiu o plantão no dia posterior, em conversa com a irmã da paciente, se recusou a efetuar o procedimento, ou seja, parto dela.

“Não vou assumir esse risco; eu não te conheço”, teria declarado o plantonista. Ela, porém, disse ao médico, que a irmã  estava perdendo um “líquido estranho com aspecto de fezes”. Ele, no entanto, tornou a declarar, que não faria o parto da gestante.

Contudo, nervoso, por telefone,  Dr. Rubens  teria dito  que o Dr. Irineu “não  poderia deixar esse tipo de caso para ele”.  O Dr. Irineu, então, retornou  ao  hospital às 10h30 para realizar o parto – procedimento realizado com o auxílio do plantonista.

De acordo com a irmã, o  parto durou aproximadamente duas horas, porém, ela percebeu que havia algo errado. A enfermeira, conforme descreveu, passou correndo com o bebê para uma sala ao lado.

“Fui até  ela [enfermeira] e perguntei o que estava acontecendo. Ela respondeu que estava tudo bem com a criança, que se encontrava na incubadora para  melhorar a respiração. Até o fim do dia iria para o quarto com a mãe”, contou.

Entretanto, informou, isso não aconteceu e o bebê piorou. Ela, por sua vez,  chamou seus familiares após ser comunicada pela pediatra, que o recém-nascido precisaria ser encaminhado às pressas para Campo Grande por considerar o seu estado clinico grave.

 “Ele tinha feito cocô na barriga da mãe e ‘inalou’ a ponto de afetar o pulmão”, acrescentou. Segundo a irmã da paciente, em razão de forte pressão de familiares e amigos, o bebê foi levado para Campo Grande por conta do seu estado crítico, o qual permaneceu 15 dias internado na UTI (Unidade de Terapia Intensiva)  sob cuidados médicos até a sua recuperação.

 

voltar ao topo

CENTRAL DE ATENDIMENTO

  • Praça Nossa Senhora Imaculada Conceição, 85, Aquidauana-MS
  • Horário de Atendimento - 2ª a 6ª (8 às 12h)
  • Sessão Plenário - Todas as 3ª feiras (19h)
  • Email de Contato - ouvidoria@cmaquidauana.ms.gov.br
  • Telefone & Expediente - (67) 3241-4350