×

Atenção

JUser: :_load: Não foi possível carregar usuário com ID: 880
Menu

Economia

A Economia

A economia do município de Aquidauana é formada por atividades relacionadas à indústria, serviços e agropecuária são a base da economia de Aquidauana. A cidade tem grande importância para o Pantanal (disputa com Cáceres (Mato Grosso) a segunda colocação em importância na região, já que a primeira é Corumbá), pois serve de acesso terrestre e aéreo a região.
 
Potencial de consumo (2005): 0,01%.
 
Centro de zona Aquidauana, com cerca de 50 mil habitantes e 2 relacionamentos diretos, é um Centro de Zona A. Nível formado por cidades de menor porte e com atuação restrita à sua área imediata; exercem funções de gestão elementares. Aquidauana é uma das 192 cidades no Brasil com a classificação Centro de Zona A.[6] A cidade exerce influência sobre os municípios de Anastácio e Nioaque (Centros Locais).

Corredor Bioceânico

Aquidauana dispõe de eixos viários que permitem inserir o espaço geográfico, podendo integrar uma rede de influência com os países da América do Sul, chegando até o oceano Pacífico, por um lado, e até o oceano Atlântico, por outro.
 
1.Eixo para o Atlântico: sistema viário muito utilizado, permitindo o acesso a países da Europa, pois existe relação comercial de Mato Grosso do Sul com o bloco regional da União Européia (UE), favorecendo também a integração fluvial do Brasil pelo rio Paraguai até a Argentina e Uruguai. Apesar disso, produtos oriundos da região fronteiriça do Brasil atualmente exportados pelos portos do Atlântico estão com a sua competitividade ameaçada. Além dos longos percursos rodoviários, a má conservação das estradas está causando o encarecimento dos fretes. Além disso, as tarifas portuárias em Santos e em outros portos do litoral brasileiro são consideradas muito altas para padrões mundiais, além do congestionamento verificado ser outro entrave.
 
2.Eixo para o Pacífico: como o Brasil precisa incrementar cada vez mais o seu comércio exterior com os países da Ásia, necessita cada vez mais de saídas rodoviárias para o Oceano Pacífico por estradas pavimentadas e confiáveis, de molde a baratear os fretes globais. Os mercados do Pacífico, em especial os do Japão, China e os dos Tigres Asiáticos (Coréia do Sul, Taiwan e Cingapura), vêm crescendo progressivamente, especialmente o da China. Por outro lado, a produção de grãos nas regiões Centro-Oeste e Norte vem crescendo ano após ano em proporções surpreendentes. O eixo de acesso ao oceano Pacífico se concretizou depois da implantação da ferrovia que liga o Brasil à Bolívia, na década de 1950 e favorece a integração do Brasil com dois países andinos (Bolívia e Chile), utilizando acesso terrestre do Brasil (Corumbá) ao porto de Arica, localizado na cidade de mesmo nome, no Chile. A integração é possível por via terrestre, pela Bolívia, utilizando sistema ferroviário ou rodoviário, e no Chile (a comunicação se dá por sistema rodoviário, com os quais pode se manter acordos que promovam a integração social, cultural, econômica e política.

Infra-estrutura

Existe na cidade mais de 45 mil habitantes, que contam com razoável infra-estrutura urbana tais com; água tratada, transporte rodoviário e urbano, bancos, hotéis, hotéis-fazendas, pousadas e motéis.

Agricultura

Atualmente, a cidade possui uma área de lavoura temporária de 9.492 ha onde se destaca o cultivo de milho, mandioca e olerícolas. O mesmo acontece na pecuária, com destaque para a de corte, em uma área de 949.694ha de pastagem natural, e 810.790 cabeças de bovinos, segundo dados do IBGE. Outros ramos de pecuaria importantes são a pecuária extensiva de cria e recria sustentada pelas pastagens naturais. O sistema de criação de gado é feito em grandes propriedades, com poucas divisões e manejo de rebanho limitado. Indústria

Indústria

Há usina de beneficiamento de leite, madeireira, produtos alimentícios, minerais não metálicos, metalúrgica, mobiliário, editorial e gráfica, produtos farmacêuticos e veterinários.

Ensino

Cursos superiores, nas universidades da região, como UEMS, UFMS, Uniderp, Unigran e cursos técnicos também apontam para uma cidade com mão-de-obra cada vez mais capacitada, além de contínuos investimentos em ensino, ciência e tecnologia.

Unidades de Saúde

Hospital Funrural - Hospital da Cassems - Hospital Rgional

Transportes

Rodoviário: Atendida pelas rodovias BR-262 e BR-419, Aquidauana é atendida também por seu terminal rodoviário de passageiros, que faz a ligação da cidade com o resto do estado, da região e do resto do país. Registra um bom fluxo de passageiros para outras cidades, especialmente em datas comemorativas. Atendida principalmente pelas empresas Andorinha e Expresso Mato Grosso, interliga Aquidauana ás seguintes cidades: Campo Grande – Corumbá – Miranda – Bonito – Dourados e Ponta Porã.
 
Aéreo: Apesar de Aquidauana possuir seu aeroporto, não há vôos regulares por empresas de grande porte, visto que o mesmo está desativado. O aeroporto está situado próximo ao centro da cidade. Além do aeroporto, Aquidauana possui também um aeroclube.
 
Urbano - Moto-táxi: essa modalidade de transporte faz um estrondoso sucesso na cidade, sendo muito requisitado pela população, especialmente porque em Aquidauana não há opção de ônibus urbanos para atender a população.
Urbano - Táxi: trata-se de uma opção de transporte mais exclusiva disponível á população, pois possui um preço mais elevado. Igual ao moto-táxi, também é muito requisitado especialmente porque a cidade carece de opção de ônibus urbanos circulando.

Ordem Pública

Polícia Ambiental - Polícia Civil - Polícia Militar - Polícia Federal - Polícia Rodoviária Federal e Forças Armadas

voltar ao topo

CENTRAL DE ATENDIMENTO

  • Praça Nossa Senhora Imaculada Conceição, 85, Aquidauana-MS
  • Horário de Atendimento - 2ª a 6ª (8 às 12h)
  • Sessão Plenário - Todas as 3ª feiras (19h)
  • Email de Contato - ouvidoria@cmaquidauana.ms.gov.br
  • Telefone & Expediente - (67) 3241-4350